Desde 1984
Variedades
25 de Outubro de 2021
Projeto leva robótica a estudantes de João Monlevade

A automação já está presente em diversos setores da vida atual. Manejo automático de estoques, sensores de estacionamento para carros e reconhecimento biométrico nos terminais bancários são algumas das funções que hoje já são independentes da ação humana. Pensando nisso, o projeto Na Mochila, desenvolvido na Escola Municipal Israel Pinheiro (Emip), em João Monlevade, quer levar a robótica aos estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental. 

Atualmente aberto a oito estudantes da instituição, a iniciativa é coordenada pelo professor de matemática Hailisson Ferreira. Autodenominado “projeto de garagem”, o Na Mochila também abrange estudantes de Nova Era e de Rio Piracicaba, iniciando-os à inovação tecnológica, uma das metas mais cruciais para o desenvolvimento do Brasil. Nas aulas, os participantes aprendem a montar os componentes de um robô e a programá-lo, fazendo-o executar uma missão pré-determinada. 

O professor Halisson realiza uma demonstração, colocando um pequeno carrinho para seguir uma linha circular preta desenhada no chão. Ele explica que esse é o princípio usado em várias modalidades de transporte ou na localização e manuseio de um produto específico dentro de um grande estoque: “Por exemplo: nos Estados Unidos, a Uber já testa carros autônomos, sem motorista, com essa tecnologia”. 

O Na Mochila já começa a brilhar para além dos limites de João Monlevade. Há duas semanas, quatro alunos da Emip participaram virtualmente da Mostra Nacional de Robótica, desempenhando missões pré-estabelecidas aos seus robôs. Eles foram a única equipe de João Monlevade a única de uma escola municipal a integrar a exposição. Por exemplo, Wanthony Oliveira, um dos participantes da iniciativa, já havia disputado com estudantes argentinos no Campeonato Internacional de Robótica à Distância (Cirdi). Ele é um dos que já alimenta sonhos mais altos com a ciência: quer ser jogador de futebol e graduar-se em engenharia na área de robótica. 

Além de Wanthony, participam do Na Mochila os estudantes Ana Laura Mendes de Oliveira, Ana Laura Silva, Gabrielle Leandro Jacinto, Heider Lucas Borges Moreira, Maria Fernanda Silva, Sophia Leandro Jacinto e Yasmim Victória Mendes Santos. No último sábado (23), eles participaram de uma transmissão ao vivo pelo perfil do projeto no Instagram (@na_mochilla) para explicar ao público sobre a iniciativa. 

Hailisson conta que quer levar seu projeto para mais estudantes, de forma a popularizar a inovação tecnológica e aproximá-la da vida de todos os jovens, democratizando as oportunidades de ascensão social e promovendo o desenvolvimento. O vice-diretor da Emip, professor Jésus Reis, menciona a possibilidade de uma articulação entre as escolas, as universidades e o poder público, de forma a propiciar o acesso de mais estudantes ao ensino superior e inserir João Monlevade e o Médio Piracicaba no mapa da inovação tecnológica de ponta.