Desde 1984
Geral
07 de Abril de 2020
Sem Acimon, reunião define futuro da quarentena em Monlevade
Erivelton Braz
Mesmo com decreto, populares seguem nas ruas


Representantes da Prefeitura, da Associação Médica e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de João Monlevade se reuniram nesta segunda-feira (6) para discutir a reabertura do comércio na cidade. Enquanto os empresários apelaram à volta gradual das atividades comerciais, o setor médico pedia a manutenção da quarentena horizontal por pelo menos mais 15 dias. A Prefeitura, por sua vez, garantiu que cumprirá as determinações da Secretaria de Estado da Saúde para conter o coronavírus, e que eventuais mudanças serão seguidas por Monlevade.

A grande ausência, no entanto, ficou por conta da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de João Monlevade (Acimon), que não foi convidada para participar do encontro. A entidade, há 15 dias, foi quem iniciou o debate com a classe médica, Prefeitura e Polícia Militar, sobre a situação das empresas locais em meio à pandemia do coronavírus.

No fim de semana, a Acimon divulgou uma nota em que criticava a falta de ação do Executivo diante do fato de as lojas estarem fechadas, mas as ruas cheias de pedestres. A Acimon assinalou a falta de diálogo entre o poder público e o setor privado, e criticou o 'isolamento empresarial', sustentando que a Prefeitura mandara fechar o comércio, mas pouco fazia para evitar aglomerações. O Executivo respondeu, dizendo que há sim diálogo entre os setores interessados, e garantiu que está tomando as medidas para cumprir o isolamento social e evitar a proliferação do coronavírus.