Desde 1984
Geral
16 de Abril de 2021
Rotatória prometida por Prefeitura ainda não saiu do papel
João Vitor Simão
Rotatória faria ligação de avenidas

Governo Laércio diz que não há atraso, mas obras no trecho não foram iniciadas

 

 

A Prefeitura de João Monlevade ainda não tirou do papel a proposta de voltar com um “retorno em gota” no trânsito na Praça Domingos Silvério, sentido à avenida Gentil Bicalho. A ideia é evitar que o motorista tenha que seguir até à rua Hidelbrando Santana, para subir sentido Santa Bárbara.
A medida evitaria um gargalo na região da Caixa Econômica, que está quase sempre congestionada. “Seria bom se voltasse (ao que era antes). É o que eu mais queria, está até demorando. Dar aquela volta terrível é demais com o combustível no preço que está”, afirma o aposentado Rubens Nazareno de Souza. Weverton Portes, que trabalha em uma banca na praça Domingos Silvério, também é favorável à instalação da rotatória, pois, segundo sua percepção, a saída desafogaria o trânsito na avenida Getúlio Vargas, e permitiria mais opções de trajetos aos motoristas. 
Anunciadas em janeiro como uma “revolução no trânsito”, as mudanças na região central foram realizadas parcialmente, retomando o sentido de algumas vias. Porém, a rotatória que interliga as avenidas Getúlio Vargas à Wilson Alvarenga e Gentil Bicalho não foi executada. À época do anúncio, a Prefeitura afirmou que poderia concluí-las em 30 dias. 
Enquete do A Notícia mostra que 83% dos entrevistados aprovaram as mudanças já realizadas. Ressalta-se que elas só foram possíveis porque a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), a Associação Comercial, Industrial e Prestação de Serviços de João Monlevade (Acimon) e o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, Material Elétrico e Eletrônico de João Monlevade (Sime) se uniram e compraram um conjunto semafórico novo, pelo valor de R$38 mil. 
Outra proposta anunciada pelo governo Laércio Ribeiro (PT) e que ainda não foi executada, é controlar o tráfego de veículos pesados nos horários de maior movimento no centro da cidade.  Outra medida ainda pendente é a proibição do estacionamento de carretas e “cavalos mecânicos” no centro. Os veículos estacionados atrapalham a visão de motoristas e podem servir de esconderijo ou escada para marginais. Outro projeto anunciado em janeiro e ainda não realizado trata da substituição de quebra-molas por lombadas eletrônicas.

Prefeitura diz que está no prazo

Conforme a Prefeitura, as obras no trânsito estão sendo realizadas “dentro do nosso cronograma, portanto não há atraso”, embora tenha-se passado dois meses do anúncio das mudanças. No entanto, o governo não anunciou quando serão executadas ou finalizadas. “Estamos fazendo todos os estudos necessários de planejamento para que na hora que os serviços comecem haja o menor impacto possível no trânsito. Tão logo todo este planejamento termine, vamos executar a obra. Lembrando que toda parte de mobilidade urbana  e o estudo de tráfego já estão sendo concluídos e muito em breve a Prefeitura fará a modificação naquele trecho do trânsito. As intervenções já feitas não só melhoraram o fluxo como também atendeu à reivindicação de toda cidade”, disse a administração ao A Notícia.