Desde 1984
Coxia
22 de Janeiro de 2021
Coxia 2617

Vacina


O Brasil iniciou neste domingo (17) a vacinação contra a Covid-19. Por enquanto, apenas profissionais de saúde da linha de frente serão imunizados, mas o plano nacional de vacinação prevê a aplicação de doses em todos os brasileiros, nos próximos meses. A população vai ter que esperar um pouco mais. 


Pedido

Profissionais de saúde de outras áreas também querem a vacina. Mas a determinação da Gerência Regional de Saúde (GRS) é explícita: não é para quebrar o protocolo. A verdade é que, além das 1600 (duas remessas de 800) não há previsão para a chegada de outras doses, já que o país está em último na fila para adquirir mais insumos para a produção dos imunizantes.


Máscara

Enquanto a vacina não chega, o uso de máscaras continua sendo obrigatório. A questão é de saúde pública e de respeito a si e ao próximo. Além disso, não é momento de resenhas, de reuniões com grande número de pessoas em casa ou em estabelecimentos. É preciso evitar mais casos da doença.


Luvas

Com o início da vacinação, surgiram diversos “especialistas” nas redes sociais questionando a não utilização de luvas na aplicação das vacinas. Porém, de acordo com o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), o uso de luvas não é obrigatório. Ela somente é indicada em casos específicos, como vacinadores com lesões cutâneas, presença de lesão no local de aplicação ou nas raras situações que envolvam contato com fluidos corporais do paciente. Não custa procurar se informar primeiro antes de criticar.


Justa causa

Agora que a vacina chegou, começam as discussões sobre a obrigatoriedade do imunizante que é bem polêmica. Apesar de o governo federal ter dito que a vacina não será obrigatória, especialistas em Direito dizem que os trabalhadores que não forem imunizados poderão ser advertidos e até demitidos por justa causa. O mesmo pode ocorrer se o profissional se recusar a seguir os protocolos de segurança, como o uso de máscaras nos ambientes de trabalho, por exemplo. 


Mudanças


O novo presidente da Câmara, Gustavo Maciel (Podemos), realizou uma série de mudanças em cargos no Legislativo. Ele recontratou o advogado Silvan Pelágio Domingues para o cargo de assessor Jurídico e passou Alexandro Pastorini para assessor adjunto do setor. Na comunicação, retornou com a jornalista Cintia Araújo e a também jornalista Maria Tereza Bicalho mudou de cargo. A diretora geral continua sendo, por enquanto, a servidora de carreira Rosimeire Magalhães. 


Demissão

Repercutiu nas redes sociais a demissão de uma servidora comissionada, após 35 anos de trabalho na Câmara. Ao A Notícia, Gustavo disse que apresentou as justificativas para ela. Na semana passada, ele afirmou ao jornal que uma das maiores dificuldades do cargo de presidente é demitir. “A alegria de um contratado é muito menor que a tristeza de quem foi desligado. O mais difícil é demitir”, disse. 


Tito

O Deputado Tito Torres cobra do Dnit melhorias para o trecho da Ponte Torta, local de dois graves acidentes em menos de um mês. “Precisamos saber em que ponto está o projeto para este segmento para pressionarmos os órgãos públicos em busca de soluções mais urgentes”, disse o deputado. 


Reclamou

Paula Garcia, agora nomeada diretora do Centro Municipal de Educação Infantil (Cemei) Luz aos Pequeninos, do bairro Loanda, manifestou descontentamento com nota da Coxia, que cita seu nome, publicada na edição da semana passada. A nota relembrava sua ligação com a extrema direita e o apoio ao presidente Jair Bolsonaro, antes dela integrar um governo do PT. O texto cita ainda a proximidade dela com o vice Fabrício Lopes (Avante). 


Registro

Segundo Garcia, a sua nomeação não se deve apenas ao fato de ser aliada do vice-prefeito: 'Senti um tom bastante pejorativo no comentário. A impressão que ficou é que eu fui nomeada apenas por ser aliada ao Fabrício. Não sou apenas uma ex-militante. Sou professora há 9 anos, com experiência na rede estadual e municipal, tanto em João Monlevade como em São Gonçalo. Atualmente, estou presidente do Partido do atual presidente da Câmara”. Fica o registro.