Desde 1984
() João Gabriel Grabe
29 de Maio de 2020
Atentos aos sinais

A quarentena tem nos influenciado de diferentes maneiras. Por meio da privação do ir e vir, o distanciamento das relações pessoais e sociais, os sentimentos aflorados e várias outras questões, as quais quando são associadas ao medo, nos fazem sofrer de diferentes formas. E esse sofrimento é único para cada pessoa, sendo absorvida de maneira mais leve por uns e mais intensa por outros. Mas, aonde quero chegar com tudo isso? 

Desde o inicio da quarentena, houve um aumento de 30% nos casos de suicídio no mundo. E ainda que esse tema seja considerado um tabu, é preciso buscar informações e orientações sobre como lidar com os sentimentos e sofrimentos que podem levar alguém ao suicídio. É bem difícil saber quando o ato em si vai acontecer, mas é possível identificar os comportamentos e as atitudes que indiquem que algo não está bem para aquela pessoa. A depressão é uma das principais causas deste ato, e esta faz com que a pessoa apresente alguns comportamentos que nos fazem ficar atentos a essa possibilidade, sendo eles: o isolamento (ficar trancado dentro do quarto), expressões de ideias ou intenções suicidas (vou deixar vocês em paz, vou sumir, queria dormir e não acordar mais, etc.), tristeza profunda e desesperança, choro constante e mudança de humor, automutilação (se machucar intencionalmente), mudança no hábito de sono, dentre outros comportamentos que fogem do padrão daquela pessoa. Ao identificar alguma mudança busque orientação profissional, não deixe de procurar um psicólogo ou um psiquiatra. É preciso ficar atentos aos sinais. 


(*) João Gabriel Grabe é monlevadense e psicólogo clínico. Contato: 031 989274525.