Desde 1984
Geral
06 de Julho de 2020
A planta de Monlevade é uma das melhores do mundo
Usina de Monlevade é destaque em entrevista da executiva da ArcelorMittal,Paula Harraca, que prevê mais investimentos para a unidade: É só o mercado voltar

Em entrevista ao jornal O Tempo, publicada na edição de sábado (4), a diretora de pessoas, comunicação, investimento social e inovação da ArcelorMittal, Paula Harraca, fez boas referências a João Monlevade. Ela avaliou os processos de trabalho da siderúrgica durante a pandemia e disse acreditar que o momento é de valorização do profissional.

Segundo a executiva, que é natural da Argentina e há 16 anos atua na ArcelorMittal, “Monlevade é uma das unidades mais emblemáticas do grupo porque produz um dos aços mais nobres”. Ela destacou ainda a qualidade dos produtos e a importância da usina de João Monlevade no cenário siderúrgico mundial. “Tem um aço que é produzido lá fino igual ao fio de cabelo e vai por dentro do pneu do carro, caminhão. Aço dificílimo de ser fabricado. É a única usina produtora na América Latina. São poucas as empresas do mundo que produzem esse aço”, afirmou.

Em sua fala ao jornal, Harraca frisou ainda que Monlevade tem uma das melhores plantas siderúrgicas do mundo e que “é uma unidade estratégica para a ArcelorMittal. Apesar de tradição de longa data, é muito moderna em tecnologia. O nível de pesquisa, desenvolvimento de produtos, soluções em aços de alto valor agregado para nossos clientes são muito grandes. Conhecimento dessa usina é diferenciado. ArcelorMIttal tem presença em 60 países e a planta de Monlevade é uma das melhores do mundo em termos de perfomance, desempenho técnico e resultados”, elogiou a executiva.

Diante disso, e com otimismo, ela respondeu se haverá investimentos futuros na unidade local da Usina. “Com certeza. É só o mercado voltar, estamos confiantes no Brasil, a gente espera que o Brasil dê certo. Estamos todos procurando construir um Brasil melhor. Vai depender de todos nós. Só tem uma forma de construir um Brasil melhor: juntos. Esse é o caminho”, destacou.

Parceria com a comunidade

Também na entrevista ao jornal, a executiva falou da parceria da Usina com a comunidade. Ela citou a parceria da empresa com o Hospital Margarida durante a pandemia. “O Hospital Margarida estava em condições desfavoráveis para combater a Covid. Conversamos com a diretoria do hospital e a Secretaria de Saúde e investimos mais ou menos R$ 4 milhões, que permitiu a duplicação de leitos de UTI. Apoiamos a fabricação de máscaras para profissionais de saúde. Fizemos uma campanha de arrecadação com a Fundação ArcerlorMittal que duplicamos a contribuição da sociedade e arrecadamos R$ 2,4 milhões para 45 entidades sociais em todo o Brasil. Fomos convidados pelo Senai para participar de iniciativa de consertar respiradores, deslocamos funcionários nossos, conseguimos recuperar perto de mil dos 3.600 que estavam com problemas”, lembrou.

Além dos R$4 milhões que criaram a Central do Covid no Hospital Margarida, a campanha de arrecadação conseguiu R$288 mil em doações da comunidade e mais R$ 288 mil como doação da ArcelorMittal, totalizando R$576 mil em recursos financeiros. Na parceria citada com o Senai, a Usina de Monlevade recuperou quatro dos seis respiradores enviados para reforma, que já estão em funcionamento.

Minas Gerais

A Executiva Paula Harraca também falou da importância do Estado para a produção de aço. “Minas Gerais tem unidades muito importantes e tem nosso centro corporativo. Em dezembro de 2021 serão cem anos da fundação em Sabará, da Belgo Mineira na época. O aço nosso vai para a indústria, a construção civil e o agronegócio. Tem uma versatilidade muito grande, pode estar num fio de cabelo, numa ponte, num prédio. Está presente na nossa vida das mais diversas formas, mas fica oculto, a gente não vê”, frisou.