Variedades
27 de março de 2015

Os desafios de promover a cultura e a arte

Dizem que viver de cultura e arte é algo difícil, devido à falta de incentivos financeiros, espaços e pessoas dispostas a promover esses movimentos. Porém, para a monlevadense, produtora cultural e gestora do Coletivo 7faces, Carla Soares Lisboa, de 33 anos esse desafio é o que mais motiva a promover eventos culturais e artísticos em João Monlevade. “Quem trabalha com cultura, não só aqui na cidade, mas em qualquer outro lugar do país, lida com desafios o tempo todo, faz parte do processo”, afirma Carla.

Em Monlevade, Carla trabalha com eventos culturais desde 2009 e está há dois anos e meio na gestão do Coletivo 7faces. “Buscamos promover festivais independentes que priorizem a divulgação e a valorização dos trabalhos autorais, como o Grito Rock. Na 1ª edição, o público foi bem tímido, mas está crescendo a cada edição segundo ela, assim como o número de artistas locais, que produzem projetos autorais”, explica. Apesar de observar um aumento e participação maior da população em ações teatrais e ambientais, a música ainda continua sendo o carro chefe.

Porém, mesmo com o aumento do número de participantes, ainda existem dificuldades para realizar e, principalmente, manter produções independentes na cidade. Segundo a produtora, os desafios vão desde apoio financeiro à manutenção de um público fiel. “Esse não é um problema só de Monlevade. Já trabalhei com cultura em capitais e conheço produtores de todos os cantos do país e ouço as mesmas reclamações de falta de apoio, espaço, público, entre outros”.

Para Carla Lisboa, Monlevade é muito rica culturalmente, onde há muitos artistas e ativistas, que mesmo com uma atuação acuada, não se contentam em ficar só reclamando e se engajam em manter o cenário cultural local vivo. “Estou na gestão do Coletivo junto a alguns colaboradores. Atualmente, realizamos eventos apenas em João Monlevade, mas já com planos de levar as ações para outras cidades da região. Queremos transformar a cidade em um pólo cultural do Médio Piracicaba”, destaca.

3ª edição do Grito do Rock



O Coletivo 7fases, do qual Carla é gestora, promove a 3ª edição do Grito do Rock, no dia 18 de abril, em João Monlevade. O festival é realizado em rede, produzido de forma colaborativa desde 2005 em todo o Brasil e em mais de 40 países, o que facilita e favorece a circulação de bandas e artistas e, consequentemente, a formação de público.

“Nosso calendário para este ano tem o Grito do Rock e o Festival Mar-motas, que vai acontecer no mês de novembro. Além disso, vamos promover mais cinco ações, todas voltadas para o teatro e a dança, sendo que dois deles já estão em pré-produção. Também estamos trabalhando com a formação e capacitação, realizando oficinas de teatro, ballet, dança para a 3ª idade e stilleto, através da Cia Os Issos e em parceria também com o Sindicato dos Metalúrgicos”, destaca Carla.