Variedades
13 de fevereiro de 2015

Por um futuro nas alturas

O monlevadense Ítalo Flávio Pinto, 15, apesar da pouca idade, já começou a busca por um grande sonho: ser jogador profissional de vôlei. Isto porque, com seus 1,92m, ele terá a responsabilidade de levar o nome de João Monlevade para além das fronteiras e já começa a trilhar seus caminhos e colher frutos. O jovem recebeu uma proposta para estudar e atuar como atleta em Uberlândia, com direito a bolsa de estudos de 100%, hospedagem e alimentação.

Ítalo morou com os avós em Monlevade até os 13 anos, quando quis morar com a mãe, que reside em Ipatinga, onde passou a praticar vôlei no time da Usipa. Para Aleziane Anália da Silva, mãe de Ítalo, o esporte só foi positivo para a vida do garoto. “Quando ele chegou aqui eu quis que ele praticasse algum tipo de esporte para ocupar o tempo que tinha ocioso. Ele sempre se identificou com o vôlei e dali pra frente foi só evoluindo”, orgulha-se.

O atleta, que atua como ponta e meia, diz que esta é a grande oportunidade de sua vida e que o apoio da família vem sendo fundamental. “Eu fiquei muito feliz e estou motivado. Todos de minha família têm me dado conselhos, apoio e ajuda. Vou em busca de meu sonho e quero levar o nome de João Monlevade por onde eu seguir”, afirma.

Ítalo se junta a outros grandes atletas que saíram de Monlevade e fizeram seu nome no mundo dos esportes, como Juciely, atleta da Seleção Brasileira de vôlei e do Rio de Janeiro e também do jogador de futebol Vinícius Araújo, atacante das seleções de base do Brasil, com passagens por Cruzeiro e Valência, da Espanha, e que atualmente está no Standard de Liège, da Bélgica.

O jovem diz que almeja uma grande carreira, pois no esporte quem se acomoda acaba perdendo seu espaço. “No vôlei, o atleta não pode pensar pequeno, senão ele fica pra trás. Eu tenho o sonho de seguir em uma grande equipe, para, quem sabe, chegar à Seleção Brasileira, que é algo que eu almejo. Sempre com os pés no chão e treinando com disciplina”, completa.

Ítalo ainda não possui patrocínios e quem o ajuda com custeios de viagens e outras necessidades é a sua família. “Para o Ítalo poder viajar para Uberlândia e para o custo de algumas coisas que seriam por conta dele, toda a família se juntou, cada um dando um pouquinho aqui e ali, fazendo com que fosse possível sua ida. A gente gostaria que ele se sentisse acolhido e que saiba que estaremos ao lado dele acompanhando”, afirma a tia do jovem, Laene Magela.

O clima de despedida já toma conta da família e sua avó, Maria da Conceição Pinto, que criou o jovem desde bebê, se emociona pela vitória do neto. “A gente fica muito feliz por ele estar conseguindo realizar este sonho, pena que não vou conseguir acompanhá-lo como antes. Mas estarei sempre torcendo por ele e sentindo saudades”, diz.

Ítalo já se mudou para Uberlândia e logo começa os estudos e treinamentos. Isto mostra que, com motivação e esforço, tudo pode acontecer de forma natural e simples. “Fico feliz por estar realizando meu sonho e agora sigo em frente para fazer meu nome e conquistar meu espaço no mundo do vôlei e ser sempre lembrado”, finaliza a jovem promessa do esporte.