Variedades
11 de setembro de 2015

Contra a tristeza e a depressão

Grupo oferece conforto espiritual em João Monlevade


Ontem, dia 10 de setembro, foi comemorado o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e diversos países celebram o “Setembro Amarelo”, lançado pela Associação Internacional pela Prevenção do Suicídio (IASP).
O Ministério da Saúde considera o suicídio um problema de saúde pública e, segundo dados, no Brasil, a cada hora uma pessoa tira a própria vida, mesmo período em que outras tentaram se matar sem sucesso.
Segundo o Centro de Valorização da Vida, uma das organizações não-governamentais (ONG) mais antigas do Brasil, o suicídio é um problema que se pode prevenir, na grande maioria das vezes. Além disso, o estudo e a discussão do tema é uma das formas mais eficientes de se promover a prevenção, uma vez que ela só é possível quando a população, os profissionais da saúde, os jornalistas e governantes têm informações suficientes para conduzir as medidas adequadas para combater esse mal.
Em João Monlevade, desde 2006 existe a Central Espírita de Valorização da Vida (CEVV), que presta atendimentos telefônicos para pessoas que precisam conversar e desabafar sobre problemas pessoais, familiares, profissionais, de relacionamentos, entre outros.
De acordo com a presidente da Central, Gilza Brum, o atendimento é feito por 20 voluntários que realizaram treinamentos para atender essas pessoas. “É um auxílio fraterno e não para indicar um caminho. As pessoas que ajudam estão preparadas para ouvir e dar um ‘ombro’ amigo. Estão preparados para tranquilizar e dar uma palavra de consolo e empatia”, explica.
Ainda segundo Gilza, às vezes as pessoas ligam somente para falar e os voluntários não dizem nada além de concordar e afirmar que estão ouvindo, mas as pessoas agradecem, pois conseguiram desabafar. “Buscamos conduzir a conversa para o campo espiritual, tentando fazer com que o atendido tenha confiança em Deus, uma vez que a fé é muito importante”, aponta.
A presidente alerta que mesmo que a Central tenha uma relação espiritual, não há ligação com a religião espírita e qualquer pessoa, independente de sua doutrina religiosa, pode e será atendida. “Prestamos apoio humanitário aos atendidos através da doação de amizade, buscando amenizar o sofrimento e as dificuldades existenciais, sem distinção de sexo, religião, profissão, idade, raça, cor, nacionalidade ou outra qualquer”, afirma Gilza.

Atendimentos
Os atendimentos são feitos de segunda a sexta-feira, de 16h às 21h, através dos telefones (31) 3851-4255, (31) 9898-7471 e (31) 9358-5111. A Central funciona atualmente na rua Carandaí, bairro Metalúrgico, em uma sala do Centro Espírita Luz do Caminho.