Desde 1984
Geral
3 de julho de 2015
Servidores do Meio Ambiente se revoltam com declarações de vereador
Apesar de não ter tido resposta do secretário municipal de Meio Ambiente, Zezinho Despachante, a crítica ao setor feita na semana passada pelo vereador Pastor Carlinhos (PV) não foi bem aceita pelos funcionários da pasta. Segundo declarações do pevista, o setor seria um “cabide de empregos”.

Utilizando a tribuna da Câmara na última quarta-feira (1º), o vereador Telles Guimarães (PSC) informou que foi procurado por servidores da Secretaria de Meio Ambiente que, indignados, lhe passaram a relação de funcionários, cargos, funções e um relatório com todas as atividades desenvolvidas pela Secretaria, feito diariamente. “Eles (funcionários) me procuraram para pedir que falasse sobre a acusação do setor ser um ‘cabide de empregos’. Segundo as informações, são apenas cinco funcionários, sendo dois efetivos e três contratados, todos profissionais e técnicos da área de Meio Ambiente. Os estagiários do setor não são remunerados. Também me passaram um relatório diário de tarefas e ações, que deixo aqui à disposição de todos”, destacou.

Em resposta, Pastor Car-linhos foi, mais uma vez, taxativo e duro em suas críticas em relação ao setor. “Eles têm que responder para o povo, não para mim. Mais uma vez provaram o que eu disse e continuo afirmando: É uma Secretaria ineficaz, avacalhada e fraca. E se fala que tem poucos funcionários, mostra que não tem estrutura para trabalhar. Se eu fosse o chefe do Executivo, mandava todo mundo embora”, desabafou Carlinhos.

Telles também frisou um comentário feito pelos servidores, de que a Secretaria de Meio Ambiente da vizinha São Gonçalo do Rio Abaixo possui 31 funcionários, enquanto a de Monlevade conta com apenas cinco.

O debate mostrou que os funcionários da Secretaria ficaram incomodados com as declarações do vereador Pastor Carlinhos, diferente do responsável pela pasta, Zezinho Despachante, que, procurado pela reportagem, não quis se manifestar sobre o assunto.