Você está em Notícia / VARIEDADES /
Variedades
5 de junho de 2015
“Ganhar a inédita medalha de ouro para o Brasil seria maravilhoso”
Em entrevista exclusiva ao A Notícia, o jogador de futebol Vinicius Araújo fala da expectativa em defender a Seleção Brasileira nas Olimpíadas de 2016, além de sua carreira e vida na Europa e das propostas para atuar em grandes clubes brasileiros e europeus

Jornal A Notícia – Como está sendo a experiência de atuar na Europa, o grande mercado do futebol mundial?


Vinicius Araújo – Muito boa e interessante. Muito importante para o meu crescimento profissional e para a minha formação e amadurecimento dentro e fora de campo. A receptividade foi ótima, com muito calor humano, suporte e estrutura. Há as naturais dificuldades, como adaptação ao clima, que é muito frio, a culinária e a cultura local, mas com o tempo, nos adaptamos. O brasileiro se adapta fácil, pelo carisma. E também tive a amizade de jogadores brasileiros, como o goleiro Diego Alves e o atacante Jonas. Além da presença da minha família, claro.

AN – Há muita diferença entre o futebol brasileiro e o europeu?


VA – No futebol brasileiro, há aquela cultura da ginga, do drible e de que o craque vai resolver a partida a qualquer momento, como é o caso do Neymar, do Ronaldinho Gaúcho e outros. Já na Europa, o futebol é mais coletivo, focado no grupo. A Alemanha, atual campeã mundial, é um exemplo disso. Um futebol mais tático desde a base, na formação dos jogadores.

AN – E quando bate a saudade de João Monlevade, o que costuma fazer?


VA – A internet e as tecnologias sempre facilitam as coisas, nos aproximam. Mas minha família sempre está junto e vem em primeiro lugar. Mas, claro, sinto falta dos amigos e das reuniões com os colegas de clube. O que pesou na época da minha ida para a Europa foi a questão familiar, mas prevaleceu o sonho de crescer como jogador e eles estão sempre comigo.

AN – Falando em Olimpíadas, quais são as suas expectativas para 2016?


VA – São boas. Estou feliz e ansioso em defender a Seleção Brasileira. Jogar na Seleção é um sonho e uma grande responsabilidade e ser convocado para as Olimpíadas e ganhar a inédita medalha de ouro para o Brasil seria maravilhoso. Sou convocado desde 2013 paras as seleções de base e estou confiante, mas, para isso, tenho que estar bem fisicamente e fazendo gols pelo meu clube, sem perder o foco. Com o professor Dunga assumindo a Seleção Pré-Olímpica, continuo com muitas esperanças.

AN – Será que teremos um monlevadense nas Olimpíadas e, pela primeira vez na história, em uma Copa do Mundo?


VA – Seria a realização de um grande sonho. Para tanto, em primeiro lugar, creio em Deus para que tudo dê certo e não tenha problemas com lesões, que é o que o jogador mais teme. Tenho que me dedicar e fazer um bom trabalho em meu clube, para ser lembrado e com o Dunga no comando das duas seleções (a Olímpica e a principal) essas possibilidades podem aumentar. Seria sensacional levar o nome de Monlevade para uma Copa do Mundo.

AN – Qual é a situação da sua carreira no momento?


VA – Meu empréstimo ao Standard de Liège, da Bélgica, se encerrou e estou de volta ao Valencia, da Espanha, onde tenho contrato de mais três anos e meio.

AN – Falou-se nos últimos dias de seu possível retorno ao futebol brasileiro, mais precisamente ao Cruzeiro. Há essa possibilidade no momento?


VA – Sempre que há a abertura da chamada janela de negociações do futebol europeu e brasileiro surgem as especulações e negociações. O futebol é muito dinâmico e isso é natural. Felizmente, a minha história no Cruzeiro é muito bonita, vivi lá desde os 14 anos e não tem como apagar. Digo sempre que o Cruzeiro é minha primeira opção no Brasil, mas, hoje, sou atleta do Valência. As equipes estão se reforçando para o Campeonato Brasileiro e existem, sim, propostas de grandes clubes brasileiros e também da Europa, mas nada concretizado. Temos que aguardar os próximos dias para ver o que acontece.

AN – Quais são as metas do Vinicius Araújo no momento?


VA – Defender a Seleção Brasileira nas Olimpíadas do ano que vem e, quem sabe, na próxima Copa do Mundo. Quem sabe ser até o artilheiro das Olimpíadas 2016? Temos que ter objetivos e sonhos e, claro, vou conseguir isso me dedicando, trabalhando muito, com respeito, sendo profissional, com os pés no chão e acreditando em Deus. Já conquistei muito, mas estou só começando, sei que tenho muito a percorrer.
LEIA TAMBÉM
 
Publicidade
31 3851-1791
Av. Rodrigues Alves, nº 78, República
João Monlevade/MG
NOTÍCIAS
OPINIÃO
OPINIÃO
SOCIAIS